marcos

dois marcos recentes para se comemorar.

dia 22, sábado, fiz algo inédito na minha vida: li dois livros inteiros num dia só. um de 120 e um de 95 páginas, e levei sete horas para dar conta. não gosto de ler com pressa, mas senti que podia matar dois textos numa só tacada, e assim o fiz.

dia 27, na passagem da L2 Norte para a L2 Sul, por baixo do Eixo Monumental, um marco alemão: a Kim, uma adolescente de 15 anos, chegou à quilometragem da foto abaixo:

123456

123456 quilômetros: esplêndido. comprei-a em 2011 com 97 mil e uns quebrados, ela deu umas quebradas… mas dei o devido trato e hoje ela segue firme e forte. no meio do ano tem a festa de debutante da Kim: aparelho ortodôntico (troca da caixa de direção), tratamento para os gases (troca dos retentores do motor M112), eliminação dos zumbidos do ouvido (instalação de dois novos alto-falantes traseiros) e maquiagem (pintura nova onde a original já queimou), dentre outras coisas. não tem jeito: um Mercedes-Benz velho antigo é o melhor carro do mundo. e eu só lamento pelo povo que desembolsa R$ 120 mil por uma nova, que eu vou comprar por R$ 30 mil daqui a uns dez anos…

blasé

depois de umas semanas no estaleiro, a Kim está de volta. o para-choque traseiro, abalroado por um cretino em novembro, foi reparado; um dos sensores de estacionamento pifou e com isso levou todo o sistema a falhar, por isso foi trocado; os bancos foram todos costurados, visto que a linha das costuras do couro, depois de 15 anos, começou a apodrecer.

além disso, ela foi submetida a um scanner e teve suas falhas zeradas, permitindo que algumas coisas, dependentes do bom funcionamento da parte eletrônica, funcionassem corretamente. senti o câmbio melhor, e me senti de novo em casa dirigindo-a na volta. para essa semana devo trocar os fluidos de freio e da direção hidráulica, bem como o óleo do motor e os filtros do motor e do ar-condicionado. para o meio do ano, uma repintura parcial, a troca dos retentores dos comandos de válvulas e um novo revestimento em couro para o motor volante.

ela merece. não fosse a Kim, eu não saberia o que é um carro de verdade.

Pentosin

quer ficar rico? tenho uma dica de ouro: comercialize óleo para transmissão automática de Mercedes-Benz. eu imagino que quem faz esse produto vive muito bem, já que o litro desta coisa custa nada mais nada menos que R$ 130.

e detalhe: são necessários seis litros. ainda bem que a troca só é necessária uma vez a cada dez anos (a Kim tem 14 e parece que nunca tinham feito), então agora estou livre de alimentar esses industriais até 2023.

Bremen

ter um carro e “casar” com ele por livre e espontânea vontade é gostoso quando se tem o carro certo, mas é preciso saber a hora de trocar as peças cuja vida útil já era. ontem foi dia de levar a Kim para trocar umas coisas importantíssimas, um tanto caras, mas que duram uns bons pares de anos.

os pneus já tinham sido trocados há duas semanas, mas faltava fazer o alinhamento correspondente: a loja que me vendeu as borrachas trabalha com produtos de boa qualidade e serviços de péssima. primeiro tentaram me empurrar que uma das rodas da Kim estava condenada, e que era preciso desempenar outras duas, a um custo unitário de R$ 50. falei que não ia desempenar nada, já que só é necessário desempenar roda se você teve um problema crônico, como cair num buraco crônico, e o carro ficou visivelmente desequilibrado por conta daquilo.

eu havia dito pessoalmente que não iria querer nenhum desempenamento, mas depois que saí da loja para resolver outras coisas a dona do lugar resolveu oferecer de novo o serviço. recusei, e ela disse que isso me traria riscos, inclusive de segurança. fui insensível, peguei o carro e me disseram que “as rodas não tinham pego alinhamento” por conta da minha recusa em desempená-las. falei “ótimo, alinho noutro lugar”, e com isso deixaram de ganhar R$ 70. a vida útil desses pneus é de 30 a 35 mil quilômetros, então não terei de me preocupar com isso por uns três anos.

de lá para cá constatei que os amortecedores (cuja vida útil passa de cinco anos) também precisavam ser trocados, e comecei a fazer cotações: a primeira loja queria R$ 4.500 pelos quatro. não jogo dinheiro fora, então fui tentar em outras lojas. na segunda, pediram R$ 2.200, e na terceira R$ 2.500. nos EUA, o jogo custa US$ 350, então um bom preço por aqui equivaleria ao dobro desse valor. cheguei até a ligar em uma loja em Cidade do Leste, Paraguai, e me passaram um orçamento de R$ 1.200. perfeito!

mas não aceitavam cartões, e eu não sei se depositar para uma loja de lá é uma boa ideia. no final das contas, prevaleceu o pedido de R$ 1.750 da Aldor, tradicional importadora de peças Mercedes-Benz em São Paulo. em dois dias, uma caixa de oito quilos, com quatro amortecedores Bilstein, esperava por mim no pilotis do meu bloco. e chegaram as palhetas do limpador de pára-brisa (R$ 60 o jogo com 5, no eBay inglês) e duas lâmpadas de xenônio, também compradas no eBay: vindas dos EUA, saíram por R$ 350, juntas, enquanto a concessionária MB daqui passou uma cotação de R$ 1.940 cada uma. lâmpadas desse tipo duram dez anos, numa boa.

ontem pela manhã levei tudo à Clínica do Carro, pedi o alinhamento e ainda comentei que a Kim precisava tomar um banho. disseram que o carro só seria entregue hoje cedo. mas às 17h15 me ligaram, avisando que estava pronto. testei-o hoje cedo, sob chuva, e posso dizer que nunca vi a Kim tão estável, tão sólida e tão gostosa de dirigir. parecia que eu havia acabado de sair com ela da fábrica em Bremen, ela está incrível.

investimento

o valor de tabela da Kim subiu esse mês, e não foi pouco: R$ 3 mil. isso a despeito de o preço dos outros usados ter desmoronado com a mais recente queda do IPI.

hoje ela custa R$ 9 mil a mais do que paguei. como precisei de um motor novo, ficou elas por elas. no mesmo período, minhas ações despencaram, então a Kim se tornou meu melhor investimento ao longo do último ano – a despeito de carros, assim como imóveis, não serem investimento.

parece que é mais um sinal para eu desistir da venda dela, mas não vou me convencer tão fácil – nem de um lado nem de outro.

solvente

continuando o papo sobre carros, hoje despachei a Kim para a Clínica do Carro, para ver um probleminha de trancos – ela fica hesitante quando vou só até a metade do acelerador ou quando dou kickdown com motor frio, por exemplo. mas resolvi, de quebra, fazer uma lista de todos os pequenos problemas que ela anda dando, aqueles que não comprometem o funcionamento do carro, e pedi para o pessoal arrumar. coisas pequenas, como um vidro que range, um teto solar cujo trilho nem sempre encaixa do jeito certo, um retrovisor que não volta à posição normal depois de uma manobra.

são coisas pequenas, verdade, mas que acabam com o prazer de dirigir – justamente o motivo pelo qual comprei a Kim, oras. e se eu tenho um carro cujo equivalente zero-quilômetro custa mais de R$ 300 mil, é bom que a manutenção do meu clássico esteja à altura de um carro de R$ 300 mil, ainda que ele valha pouco mais de um décimo disso. se o meu tesão voltar quando tudo estiver resolvido, pode ser que eu desista de vendê-la.