salada

camila says: (16:09:32)
minha faculdade so tem gente feia.. e sem classe e gosto
kevlarsjäl says: (16:09:35)
:/
camila says: (16:09:42)
eu fiquei com vergonha na minha colacao
camila says: (16:09:44)
juro
kevlarsjäl says: (16:09:50)
gente feia não rola. sou alérgico
camila says: (16:10:04)
pois eh passei 6 anos com minha rinite atacada hahaha

canhota

acabei de rever “Match point”, e vibrei (!!!) de novo (!!!) a cada vez em que o Chris não era pego pelo que fez. eis aqui umas rápidas divagações sobre o filme:

– a Emily Mortimer é uma “feia que é gata”, a exemplo da Kirsten Dunst, dentre outras. você até pensa em se envolver com alguém como ela no começo do filme;
– só no começo porque… bem, assim que aparece a Scarlett Johansson, match point para ela. você perdeu, está apaixonado. eu mesmo perdi;
– não é um filme muito Woody Allen? não é nada Woody Allen. é inglês, é psicótico de outro jeito que não o dele, tem algo que o Marcio depois colocou, creio eu que de forma inconsciente, em “Colorama”, a melhor canção do Sestine, ainda não gravada;
– é um filme onde se quer viver: conhecer aquelas pessoas, trabalhar e passear naqueles lugares, usar aquelas roupas, comer naqueles restaurantes, tirar aquelas férias. alguém?

fora isso, desliguei o reprodutor de DVD e coloquei na MTV. deparei-me, então, com a seguinte seqüência de clipes: “Lady Marmelade”, com as quatro assanhadas da trilha do “Moulin Rouge” (nota 7); “How soon is now”, dos Smiths (nota 1), “Starlight”, do Muse (9 pro clipe, 2 pra música, que é linda mas é cópia deles mesmos, então média 6), “Walkin’ in my shoes”, do Depeche Mode (fase ruim deles, nota 5) e…

e…

e…

aí a MTV passou o “To kill a dead man”, curta-metragem que o Portishead fez em 1993. lindo. doce. fatal. um beijo macio com gosto de cigarro. fiquei apaixonado. que oito minutos mais perfeitos, mon dieu. aí rolou Nine Inch Nails,, She Wants Revenge, Amy Winehouse… mas agora eu só quero saber de música eletrônica estilo Jovem Pan e de sertanejo, parei de mexer com essas porcarias todas – menos o Portishead, É CLARO. agora com licença, vou fazer minha seqüência Portishead – Babado Novo – Edson & Hudson – uma aspirina – minha cama. e boa segunda pra todos nós.

rede boato

segundo o Rodrigo, corre na Bahia o boato de que o ACM morreu faz uns cinco dias, mas que estão segurando o anúncio oficial para esta segunda, que é feriado de indepedência da Bahia. tipo um Tancredo 2, sabem? é a prova de que, em vinte e dois anos de redemocratização o Brasil não aprendeu porra nenhuma…

(se o boato procede eu não sei. hoje veremos…)

pólis

final de semana improdutivo, acordando tarde, sem a resposta que eu queria e que só deve sair amanhã. medo? bastante. tenho bastante medo daquilo que não tenho motivo, e nenhum medo do que deveria ao menos tomar cuidado. aparentemente, há uma solução aparente.

tão aparente que não consigo ver.