Tessalônica

a Nana Mouskouri gravou muita coisa, e muita coisa brega, mas canta bem. em 1962, ela gravou um disco com orquestra e produção do Quincy Jones, que só foi sair quase quarenta anos depois – um crime.

Anúncios

repique

de dieta mais uma vez, saí pelas duas primeiras vezes (em vinte dias) ontem à noite, para um jantar italiano (brega, mas gostoso) e hoje, para um almoço de aniversário cheio de cerveja. ainda não tenho muito a declarar, o que explica as traças aqui.

mas é preciso escrever, então vou forçar a barra progressivamente.

*

na próxima quarta-feira, vou a uma aula experimental de russo. ainda penso recorrentemente no país, passados onze meses da minha ida a Sochi: imagina quando conhecer o resto? vou forçar a barra para uma segunda viagem. enquanto isso, aproveitarei uma passagem barata para, entre o fim de outubro e o meio de novembro, voltar a alguns países que já conheço e acrescentar mais um, o Marrocos, ainda que de forma fugaz.

viajar é preciso, e é bom que assim o seja.

*

sábado à noite e eu já fiz a social, já caminhei no parque, já bebi cerveja, já transportei uma turbina automotiva. estou em casa, ouvindo Nina Simone e pensando no que fazer da vida.

nada de concreto, mas, pela primeira vez em oito anos, leve otimismo com algumas ideias que equilibram emoção e racionalidade. será possível, afinal? diabo de paradoxo. mas, mais uma vez, pode ser.

*

sobre o fragmento acima: sempre achei que tivesse alma de velho. ainda acho. mas é hora de pensar jovem.

mosteiro

comecei a seguir o doutor Ítalo Marsili no Instagram. não sei como cheguei até ele, mas gosto das coisas que ele diz. ontem, escreveu que “conviver confortavelmente com a dúvida e com a ignorância é pré-requisito para uma vocação à vida de estudos”. é algo tão simples que preciso me lembrar todos os dias.