das coisas da vida

essa semana, ouvi muito mais do que estou acostumado a ouvir. não no sentido de admoestação, mas de ouvir mesmo, conversas normais. também falei mais do que deveria, mas só um pouco. teve até uma frase que, dita de propósito, trar-me-á problemas no futuro. a menos que eu seja esperto o suficiente para escapar rápido. o que é possível. provável? não, nem tanto. pés no chão, por favor.

e não creio que, um dia, eu me arrependa de ter dito essa frase. tem uns três anos que penso nisso e não consegui me arrepender até o momento.

carregando…

(…) achei os debates [das eleições municipais] muito vazios. Eles [candidatos] continuam lançando propostas sem dizer como serão realizadas, na prática. De onde virá o dinheiro? Como será operacionalizado? Para falar coisas bonitas na televisão, até eu falo.

Janaína Paschoal, no boletim diário do Antagonista, lembrando que o que aconteceu, até o momento, é apenas o começo do começo.