Eclesiastes

Há um tempo para tudo, diz a famosa passagem do Eclesiastes [outros traduzem por «ocasião» ou até «estação»]: tempo para nascer e tempo para morrer, destruir e construir, guardar e deitar fora, rasgar e coser, tempo de guerra e tempo de paz. «Há um tempo» significa a unidade e a diversidade da experiência humana, factos contraditórios mas que nos acontecem a todos. Mas «há um tempo» também significa que há um tempo apropriado para cada coisa. E isso, o «apropriado», que é uma variável que talvez se pudesse controlar de algum modo, é o que me escapa por inteiro. Tenho vivido os vários tempos, ocasiões, estações, mas raramente no momento apropriado. Quase todas as minhas experiências foram precoces ou tardias, imaturas ou serôdias, quase todas extemporâneas, intempestivas, inoportunas, inadequadas. Percebo o embaraço ou o visível recuo quando alguém se vê confrontado com os meus «tempos» desastrados. E nem o Eclesiastes me ajuda.

Pedro Mexia, sempre ele. essa parte confessional é das coisas que me arrancam da boca muda e ganham o mundo, fora do meu controle.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s