lexema

estereótipos sobre mexicanos, sadomasoquismo enquanto estilo de vida, uma reunião cancelada, comida de índio, Britney Spears sendo utilizada contra piratas na Somália, vontade de sumir, coisas simples sendo contaminadas.

cara, hoje foi sinistro.

Zugdidi

nesta semana que se encerrou, Otto e Carol tomaram posse da nova casa deles. ainda não se mudaram, mas decidiram fazer uma festinha para marcar a conquista. daí fomos lá ontem para, ainda sem móveis (à exceção de uma mesa de plástico e uns pufes), comemorar. levei uma garrafa de champanhe, já que a ocasião exigia; Dirceu brincou de DJ no iPad, rolou “Why do you only call me when you’re high?” (e meio “AM”). a mãe do Otto doou um cordeiro assado acompanhado de batatas com alecrim, delicioso. e assim ficamos até perto das quatro da manhã, felizes e satisfeitos – e eu, particularmente, impressionado com a vista da fachada interna da casa.

hasta

um calor dos infernos se abate sobre Brasília. tive compromissos ontem à noite e hoje cedo e pensei em faltar a ambos por conta do cansaço que naturalmente me dá nessas situações. fui firme, e consegui estar presente aos dois. mas acordar tem sido um parto: dá vontade de dormir dez, doze, quatorze horas. indolência? não sei. se dá tempo de fazer tudo aquilo a que me proponho em pouco tempo, não vejo porque ficar enrolando.

mas quando acabou o compromisso de hoje cedo, lá pela hora do almoço, almocei, tomei um sorvete e capotei na cama. foi a melhor coisa que fiz: apesar de o calor não ter arrefecido, estou bem mais disposto. e ainda com uns dias de sono atrasado.

missões

o carro está limpo, por dentro e por fora, encerado e com o painel hidratado. as aulas foram todas assistidas e meu progresso no francês nessa semana foi bom. paguei as contas, malhei com uma disposição que não tinha desde o início desse ano, continuo em busca de um apartamento menor para alugar e tenho visto alguns lugares interessantes. comprei uma garrafa de Gavi, passei longe da cafeína hoje (mas ontem tomei um litro de chá gelado e alguns cafés), descobri um restaurante recém-inaugurado (para ser visitado na semana que vem), estou pensando em trocar a Kim por duas outras velharias (mas não vou ter coragem, provavelmente).

a vida segue, missão dada é missão cumprida. não sei por quanto tempo vou aguentar, mas desta vez eu consegui.

achei

o elemento que faltava para compor a santíssima trindade dos molhos industrializados: o delicioso curry de manga da Heinz. é fantástico, não tenho palavras: curry é bom, manga é bom, colocar tudo isso num molho com a textura aproximada de uma maionese é… sublime.

ao lado dele, a santíssima trindade do molho pronto é composta pelo molho de churrasco Jack Daniel’s (de preferência o apimentado) e pelo molho de tomate com ricota da Casino: coisas de outro mundo.