intimação

The last time I wrote in these pages, I issued a challenge to Boris Johnson to take me on at ping pong. The Mayor said he’d be up for it, and his office duly contacted The Spectator to arrange the details. Team Johnson insisted that the match should be held at a venue of their choosing. I said by all means. And then — nothing. The Spectator has tried to follow up, but now it’s radio silence from the Mayor’s office. Is Boris scared or what? He should be.

Pippa Middleton, a cunhada mais famosa do Reino Unido, chamando na xinxa o prefeito de Londres na Spectator.

troco

estava lendo na Foreign Policy uma notícia velha, a de que o governo do Zimbábue tinha ficado com apenas US$ 217 em caixa depois de pagar seus funcionários em janeiro. e um comentarista maroto aproveitou para deixar um comentário que é pura trolagem:

Dear sir,

I am the rightful and proper heir of th8e great Lichenstein kingdom and have accumlulated a substancial ammount of money left at aproximately 40,000,000 dollars. I have long been interested in Zimbabwe and would like to invest in your country. Please just give me a small fee of 217$ to process #the payment and will recieve the great sum of money immediatly.

Thank you for your time and may -god be with you.

olodum

um reflexo dos 2% de coisas boas que podiam acontecer a partir dos protestos acabou de acontecer: a Câmara dos Deputados rejeitou a PEC 37, que tirava do Ministério Público a iniciativa de promover investigações.

meu lado pragmático me lembra que o país não exatamente melhorou, mas deixou de piorar. olhando a big picture e o retrospecto das coisas por aqui, no entanto, constata-se que já é (ou ao menos parece) muito. ainda não faço ideia do rumo que tudo isso vai tomar.

e sim, o Brasil acordou Venezuela hoje, graças à retórica da czarina ontem.