azeite

não ter foco é um problema. ter vários focos é ter vários problemas. não sou um cara específico, gosto de estar em vários projetos e fazer várias coisas ao mesmo tempo. e querer se mover enquanto faz tanta coisa tem um preço caro: o de se cansar.

eu me canso justamente para não me cansar do que faço – e, se isso acontecesse, eu correria o risco de me cansar de mim mesmo. e tenho fé que, mais cedo ou mais tarde, algo do que eu faço vai dar certo. não há garantias de que isso aconteça, mas é preciso agir acreditando e ponto.

completei 31 anos nessa segunda. fiz bastante coisa do aniversário de 2011 para cá, não fiz nada nesse período todo. é um “drama irresolvido”, para usar uma expressão do Paulo Francis: voltei à faculdade, me vi pensando em coisas profissionais que nunca tinha cogitado, entrei numa espiral de pânico, saí dela, voltei a me ver dentro dela hoje – mas acordei antes de ser sugado. vi um gosto estranho começar a se desenvolver, vi a oportunidade de me aprofundar em coisas que não conhecia direito – e continuo obtuso, mas disposto a me aprofundar.

também vi ao vivo minhas duas bandas preferidas, completei um ano de namoro, decidi que preciso jogar fora todos os meus sapatos, aprendi a manter um carro alemão que me dá alegria, mesmo que acompanhada por uma salgada conta da oficina.

um ano pesado, um bom ano. quem quiser moleza, que troque a ambição pela vergonha. um ano em que levei a sério a história do “ou você faz parte do problema ou faz parte da solução”, e briguei para estar no segundo grupo. um ano que acabou mas não acabou: a batalha continua, a guerra continua, o “drama irresolvido” persiste.

*

enfim, ao dia. a patroa me acordou às 6:15 com um delicioso bolo de chocolate, a academia ficou de lado. pedi que as comemorações fossem discretas, de uma forma geral, porque ainda não me conformo por este ser o primeiro aniversário em que não recebi um telefonema da minha avó me dando os parabéns. que saudades da d. Vicentina.

mas muita gente lembrou, fico feliz por isso. muito. faz as coisas valerem a pena. e eu não tenho Facebook, então é mais difícil que se lembrem. mas lembram. e não que eu fique triste se não acontecer: em tempos de overdose, é difícil, para muitos, ater-se a cada coisa, por mais preciosa que seja.

não deu para almoçar do jeito como deveria ser (entrada, prato principal, sobremesa, vinho), mas já separei um dia da semana para fazê-lo. passei o dia costurando trabalhos escolares, e deu tudo certo no final. esse drama, pelo menos, foi resolvido. e ainda pude ouvir um amigo desabafar sobre o trabalho, ajudar uma colega em dilema acadêmico, ir ao supermercado ganhar 100 pontos do Cartão Mais e abastecer a despensa.

tenho que agradecer pelo que tenho, mas lembrar que quero mais.

Anúncios

2 thoughts on “azeite

  1. Eduardinho:

    feliz aniversário! (atrasado)

    você vai conseguir. mas não pode deixar de aproveitar o caminho até lá. :)

    uma beijoca,
    lisa

  2. “eu me canso justamente para não me cansar do que faço – e, se isso acontecesse, eu correria o risco de me cansar de mim mesmo.” —> eu

    “em tempos de overdose, é difícil, para muitos, ater-se a cada coisa, por mais preciosa que seja.” tão verdade… às vezes tenho a sensação de que vivo anestesiada – de mim mesma, dos outros, do que tá acontecendo ao meu redor.

    adorei o lance das etiquetas, o que é um perigo, porque tô quase clicando na ordem: diamante > ouro > prata > bronze pra ler todos os posts.

    btw, parabéns!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s