supermercado

“ninguém mais compra cds” – Lúcio Ribeiro

de fato. então, cá entre nós, meu nome é ninguém: fui pro eBay e comprei quatro discos, exatamente a quantidade que tinha comprado durante todo o ano de 2007. ei-los:

REM, “Reckoning”. segundo disco deles, ele é de 1984 e tem algumas das músicas mais angustiantes da história, inclusive o clássico de quem mora no interior de São Paulo ou de Minas Gerais, “So. central rain”. já experimentaram pegar a rodovia dos Bandeirantes às oito da manhã, ouvindo essa música? é inesquecível. peguei a versão com cinco faixas-bônus.

Echo & the Bunnymen, “Echo & the Bunnymen”. a maior parte dos fãs dos homens-coelho acha que o melhor disco da banda é o “Ocean rain”. tem quem defenda que é o “Porcupine”. eu sou, até prova de contrário, o único que defende esse disco aqui, o mais pop de todos e que, além dos hits óbvios, tem uma música linda que atende pelo nome de “Bombers bay”. foi através dela que eu soube da existência da cidade de Mandalay, na Birmânia, e que passei a ter vontade de conhecê-la. peguei a versão remasterizada, com sete bônus.

Wilco, “A. M.”. é uma vergonha, mas preciso admitir: ainda não tenho tudo que o Wilco fez até 2002. segunda à tarde eu tava na Telerj, na hora do almoço, e coloquei o clipe de “Box full of letters” pra ouvir a música. em trinta segundos de canção eu tava entrando no eBay pra dar lance nesse disco, que é uma das coisas mais inacreditáveis do pop americano. também é outro clássico da série “morar no interior”, porque tem coisas que um habitante da metrópole talvez não sinta da mesma forma que um caipira que puxa o R. (para efeitos dessa teoria, o Gabriel é piracicabano)

Uncle Tupelo, “89/93: An anthology”. eu não conheço uma música sequer do Uncle Tupelo. mas conheço todas do Wilco. enough said.

*

a era do mp3 fez os preços dos cds importados baixarem aos níveis em que sempre deveriam estar. e hoje em dia eles custam metade de um cd nacional. contando o frete, paguei 70 reais pelos quatro discos aí de cima, todos zerados. não é algo que eu vá fazer sempre, mas ainda é gostoso, já que eu preciso de música no carro e sempre que me lembro de você, meu amor.

Anúncios

HP 12C

o Anônimo, estatístico, matemático e ex-cowboy, publicou, nos comentários do post passado, um estudo sobre as chances do Gama de subir para a primeira divisão. imperdível, e as contas fecham, ao contrário das do Craudio sobre o timinho dele. que vai, no ano que vem, enfrentar o Brasiliense de igual pra igual.

yummm

Kopenhagen testa expansão do modelo de negócios

Líder no mercado brasileiro de chocolates finos, a Kopenhagen planeja expandir sua área de atuação para além dos doces. A empresa inaugura esta semana uma espaço dentro da loja do Parque Dom Pedro Shopping, em Campinas, no interior paulista, onde servirá pratos salgados, sobremesas e bebidas.

A área nova, batizada de Kopenhagen Gourmet Station, servirá como termômetro da aceitação dos consumidores, durante cerca de seis meses. Serão avaliados o mix de produtos, o tíquete médio e o perfil do público atendido. Caso a experiência seja bem sucedida, a empresa passará a instalar o espaço também em outras unidades e regiões.

No cardápio do Gourmet Station, haverá opções como saladas e quiches, croissants recheados com o chocolate da própria marca e milk-shake de Nhá Benta, doce de chocolate e marshmallow que se tornou um dos produtos mais conhecidos da empresa.

O novo espaço, de 50 metros quadrados, deve aumentar em 1 milhão de reais o faturamento atual da loja, hoje em 3 milhões de reais por ano. Essa estratégia de ampliar a variedade de serviços oferecidos é uma tentativa de aproveitar a imagem de inovação associada à marca da Kopenhagen, segundo a vice-presidente da companhia, Renata Vichi.

dilúvio

Brasília se prepara para um dilúvio que vai acontecer nessa tarde ou à noite. já estou com tudo adiantado: janelas fechadas, alguma coisa para comer durante a chuva, um plano B para algumas coisas, até um plano C para umas tantas.

eu gosto da chuva. eu nasci num dia chuvoso, nunca tive problemas em relação a aguaceiros. menos ainda depois que me mudei para Brasília.

*

não preciso dos teus arranha-céus
dos teus vendavais e da tua ajuda humanitária.
então agora, se me dás licença,
vou ali tomar um banho de chuva.

*

e se a chuva é um prenúncio da guerra, como uma vez disse um professor sobre a segunda guerra mundial, que fique claro que eu vou te atacar para poder me defender.

preguicite

texto muito bom do Man in the Box, que eu só fui ler hoje. alguém dá uma medalha pra ele, por favor?

Futuro

O dia está só na metade e você já participou de reunião, entregou uma pilha de jobs, almoçou China in Box sentado na mesa do computador e ouviu três vezes a palavra “urgente”… E de três pessoas diferentes. E o dia está só na metade.

Saindo daqui você vai chegar na cama, tirar o sapato sem desamarrar os cadarços e se entregar ao sono dos justos, certo? Piiiiii, errado! Você vai é respirar três vezes, encarar o trânsito descomunal desse dia chuvoso e se jogar na academia.

Onde vai puxar ferro por uma hora, correr meia hora e fazer bike na outra meia, aliás, o único momento que consegue ler um livro. No caso, mais um romance-suspense do Dan Brown (sem criticas ok?).

Então, quando hoje já tiver virado amanhã, você finalmente vai pra casa, realizar que a geladeira não faz compras sozinha. Então vai comer meia banana enquanto coloca o despertador pra tocar sete horinhas depois.

E antes que alguém pergunte, não, você não quer uma medalha. Só um vidente muito bom, pra dizer que isso tudo um dia vai valer a pena. É pedir muito? Hein, hein?

vassoura

você mexe e remexe no passado
como quem mente quando disse que estava tudo resolvido
que não há mais nada, que se sente bem com isso
e que eu é que não consigo enxergar.

mas se você fala isso e se comporta de outro jeito
sinto muito em lhe dizer:
alguma coisa está errada
e não sou eu essa coisa.