de cadências

acabei de assistir “Match point”, depois de ver uma porcaria aí no Telecine Light. odeio admitir isso, mas é um belo filme. maldito Woody Allen.

*

e para agora, o que temos? os primeiros raios de sol
três revistas ainda por ler
o treino da Fórmula 1 às nove
mas acho que vou dormir. bom dia a todos.

niilismo

troquei o gesso hoje. dessa vez me deram um pós-moderno, menor, mal acabado e mais leve, que deixa meus dedos à mostra. penso em pintá-lo de lilás, com detalhes nas cores da bandeira de Gana (verde, vermelho e amarelo, burro) e em laranja. ainda não sei como vai ser, mas queria mesmo transformá-la em uma obra de arte. fico com ela por duas semanas, depois minha mão será imobilizada de outro jeito, como mencionei.

pode ser que tenha gente pensando que minha rotina é enfadonha. acordo meio-dia, penso no que vou comer e como. me arrumo para sair e fico no MSN tentando descobrir qual é a boa. daí dedico um tempo à juntada de documentos do caso e de umas outras coisas que preciso resolver. de vez em quando passo na XP Investimentos, para ver como estão meus papéis de ITSA4 e outros que andei comprando. bebo litros de Aquarius Fresh e refrigerante dietético. volto pra casa e espero pra fazer a boa da noite. estive em dois concertos e um jogo de futebol essa semana, e adorei. e cortei meu cabelo, voltando a ser gato.

paralelamente à recuperação da minha mão, estou um pouco preocupado com meu novo carro, que ainda não sei qual será mas, como disse, precisa ser doce como um beijo, espaçoso para caber meu ego e ainda não ser feio como o Corolla. mas tudo se resolve. e hoje, bora ver a Nancy no Gate’s e depois assistir a um filme água-com-açúcar de madrugada?

abono

terça-feira, na abertura da Copa América, jogaram Venezuela versus Bolívia.
eu torci pra que os dois perdessem.

hoje estão jogando Argentina e Estados Unidos, no exato momento em que escrevo isso o juiz pôs termo ao primeiro tempo.
queria que os dois ganhassem.

(e sim, eu adorei o cupim mexicano ontem, vocês sabem da minha política patriótica: quando o futebol ganha, o Brasil perde)