vida de inseto

subindo paredes, descendo paredes, indo até a luz sem ir a lugar nenhum. isso te lembra de algo? se foi de mim ultimamente, parabéns: tirando dormir e resolver coisas inerentes à escola, non facio niente.

tordre le cou

vício da imagem: sempre que passo em frente a uma videolocadora que disponha em sua fachada um cartaz daquele filme “Simplesmente amor” (ou “Love actually”, se você for belga), paro tudo o que estou fazendo/vendo/falando e entorto meu pescoço para ver a foto da Keira Knightley o maior tempo possível – é o tipo da foto que me encanta…

coruja

onde eu encostar hoje, eu durmo. parece idiota, mas é isso mesmo: dormi pouco demais nas duas últimas noites, por motivos alheios à minha vontade, e hoje já dormi em dois lugares onde não devia: na primeira aula da escola (Processo Penal) e na cadeira do dentista, enquanto ele tirava um molde dos meus dentes pra alguma coisa (receio que se trate de um vudu localizado).

fiquei até a uma e trinta da manhã pesquisando um negócio de direito tributário pro meu amigo Felipe e, na sorte, achei material pra fazer o segundo capítulo da minha monografia – justo o que estava me dando mais dor de cabeça. maravilha. aí acordei cinco horas depois pra ir à escola, caí no sono sentado na carteira escolar… e tinha de fazer força para permanecer alerta. depois do almoço, uma seqüência brutal de lugares pra ir me deixou acordadinho, mas bastou arranjar uma cadeira para que o sono, esse grandessíssimo filho da p***, aparecesse de novo.

o mais certo, num dia desses, era andar o tempo todo com alguma gata do lado, pra que eu dormisse no ombro dela. alguma leitora deste blógue tá a fim de bons sonhos aí?